sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Sport Lisboa e Benfica | Jorge Jesus | Sporting Clube de Portugal

Um clube de futebol não se escolhe, sente-se.
É aquele e mais nenhum.
Quando assim é, o amor será para sempre.
Haverão derrotas, vitórias, alegrias, frustações... É como uma relação com quem amamos incondicionalmente.

Recordo o meu amor incondicional ao Sport Lisboa e Benfica ter acontecido em meados dos anos 90 quando à medida que ia crescendo via jogar o Vitor Paneira, Mozer, Ricardo Gomes, Magnusson, Rui Águas, Valdo, Thern, Schwarz, Isaías, Rui Costa (o meu jogador preferido desde sempre), João Pinto, Preud'Homme, Caniggia (nem queria acreditar!), Donizete, Valdir, Hugo Leal, Nuno Gomes... Até tinha um vizinho que me queria converter para simpatizante do Sporting Clube de Portugal levando-me a ver os jogos no Estádio José de Alvalade - mas quando entrei pela primeira vez no Estádio da Luz e ao ver o relvado, todo o meu corpo estremeceu com um conjunto de arrepios de dimensões galáticas. Não tive dúvidas - não se escolhe, sente-se.

Passaram muitos mais jogadores pelo clube que me despertam a minha preferência e amor, tais como Erwin Sánchez, Tiago, Gamarra, Amaral, Poborsky, Brian, Deane, Maniche, Robert Enke, Sabry, Pierre van Hooijdonk, Roger, Moreira, Mantorras, Simão Sabrosa, Argel, Tomo Šokota, Drulovic, Zahovic, Fernando Meira, Jankauskas, Miki Fehér, Geovanni, Petit, Tiago, Luisão, Manuel Fernandes, Quim, Karagounis, Fabrizio Miccoli, Laurent Robert, Katsouranis, David Luiz, Óscar Cardozo, Di María, Cristián Rodríguez, Maxi Pereira, Freddy Adu, Ariza Makukula, Fábio Coentrão, José Antonio Reyes, Carlos Martins, Rúben Amorim, Pablo Aimar, David Suazo, Léo, Fellipe Bastos, Javi García, Javier Saviola, Ramires, Salvio, Axel Witsel, Nolito, Nico Gaitán, Bruno César, Artur Moraes, Ezequiel Garay, Rodrigo, Nemanja Matić, Enzo Pérez, Lima, Ola John, André Gomes, Lazar Marković, Guilherme Siqueira, Jan Oblak, Miralem Sulejmani, André Almeida, Sílvio Ivan Cavaleiro, Jonas, Pizzi, Júlio César, Nélson Semedo,...

Não é apenas de jogadores que se faz um clube de futebol, mas conta imenso. Sabermos que o nosso clube do coração vai poder contar com um ou outro craque que tanto se fala - quem não gostaria de ter o Cristiano Ronaldo ou o Messi a jogar pelo seu clube...
Quando li a primeira capa de um jornal a anuciar o Paul Gacoigne no Sport Lisboa e Benfica quase fiquei sem ar... Infelizmente não se concretizou.

Depois para que tudo funcione em campo há que haver um comandante, o treinador.
Muitos passaram pelo Benfica e aqueles com os quais mais me identifiquei, no que toca à forma de trabalhar e gestão do plantel mesmo que nem sempre tenha conseguido o sucesso, foram o Mário Wilson, Sven-Göran Eriksson, José Mourinho (apesar de infelizmente ter sido apenas interino), José Antonio Camacho, Giovanni Trapattoni, Ronald Koeman e Jorge Jesus.

Quando um rival joga, estou obviamente a referir-me explicitamente ao Sporting Clube de Portugal e ao Futebol Clube do Porto, é obvio que quero que ambos percam e se possível por muitos golos - isto quando estão em causa competições nacionais. Agora no que toca a competições europeias tenho sempre o gosto que todos os clubes portugueses façam boa figura.

E nisto chegamos ao ponto que queria... Esta época é a primeira vez que tenho um sentimento contrário no que toca a um clube português nas competições europeias, o nosso anterior treinador - Jorge Jesus - decidiu sair do nosso clube e ir para o nosso maior clube rival geográfico.


Até aqui tudo bem, eu até já tinha dito nas suas duas últimas épocas que era tempo de ele sair, mas ter saído como saiu e para onde saiu, levando informação preciosa foi no mínimo de muito mau caráter.

Portanto o Sporting Clube de Portugal para mim este ano enquanto estiver lá este senhor é para perder todos os jogos e isso dar-me-á um enorme gozo.

Carrega Benfica.


PG

2 comentários:

apostar betclic disse...

No início da época (altura deste post) era impensável alguém achar que o Jesus faria o que fez, até ao momento, no rival leonino. Vamos ver o que acontece até final da época...

Pedro Gomes disse...

Está a ter o mesmo sucesso que teve nos outros passados pela mesmíssima razão: os rivais não têm estabilidade no que toca ao cargo de treinador.
O Rui Vitória ainda se está a ambientar e a tentar de todas as formas descolar a equipa da mentalidade e estrutura de jogo implementada pelo JJ, o Lopetegui nem sei o que diga...
Mas... Futebol é futebol e abola rola para todos, a ver como acaba.