quarta-feira, 4 de julho de 2007

Morreu Henrique Viana

O actor Henrique Viana morreu, esta quarta-feira, aos 71 anos no Hospital dos Capuchos, vítima de cancro. O actor tinha uma carreira artística que se estendia por mais de 50 anos e que tinha começado em 1956.

O actor Henrique Viana faleceu, esta quarta-feira, vítima de cancro, no Hospital dos Capuchos, afirmou fonte da Casa do Artista à agência Lusa.

Nascido a 29 de Junho de 1936, Henrique Viana começou a sua carreira artística em 1956 ao entrar na peça «Amanhã há récita», de Varela Silva, quando ainda era amador e frequentava a Sociedade Guilherme Cossoul.

Três anos mais tarde, depois de um convite para um teste por parte de Amélia Rey Colaço, Henrique Viana estreou no palco do Teatro D. Maria II com a peça «O lugre», de Bernardo Santareno, numa encenação de Pedro Lemos.

Em 1962, passou a integrar a Empresa de Teatros Vasco Morgado, estreando-se então na alta comédia em «Loucuras de papá e mamã», de Alfonso Paso, que foi levada à cena no Teatro Avenida, de Lisboa.

Por essa altura, o actor estreou-se no cinema em «Aqui há fantasmas» (1963), realizado por Pedro Martins, o início de uma carreira que terminou com «o Julgamento», de Lionel Vieira, que estreará no Outono.

Em 1967, estreia-se na revista no Teatro Variedades com «Sete Colinas», tendo depois passado pela companhia «Teatro do Nosso Tempo», da qual foi fundador, e pelo Teatro da Estufa Fria, antes de chegar ao Teatro Villaret, em 1971.

Nesta companhia, Henrique Viana protagonizou um dos seus maiores sucessos ao entrar na peça «O Vison Voador», onde contracenou com Raul Solnado, para em 1973 regrassar à revista no Teatro ABC, com a peça «Tudo a nu».

Em 1974, faz parte do grupo fundador do Teatro Adoque, tendo estreado-se como autor no teatro com «Ó Calinas cala a boca» (1977), em parceria com Ary dos Santos, Francisco Nicholson e Gonçalves Preto.

Para além do teatro e cinema, a carreira de Henrique Viana ficou também bastante ligada à televisão, onde participou em «Chuva na areia» (1985) e depois em várias séries e novelas, das quais «Paixões Proibidas», actualmente em exibição na RTP.

Fonte: TSF Online

2 comentários:

MG disse...

Sim senhor, finalmente uma alusão noticiosa a uma personalidade do chamado movimento cultural português!!!!....
Há, já me esquecia dos Humanos!!!

Snowy disse...

Mais uma grande referência do teatro nacional que nos deixou...espero que a sua memória permaneça eterna e que o público português não se esqueça do grande Homem que foi e para sempre será!